IV SECÇÃO VIVEU UM ROVER ALGARVIO MEDIEVAL E MUITO ESPECIAL

Partilha esta Notícia

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Cinco anos depois da última edição, o Rover Algarvio regressou à agenda da IV Secção. Desta vez, baseado na lenda de um rei ignorante que um dia sonhou que teria de ceder o seu trono a uma das suas 3 filhas, mais concretamente àquela que melhor quantificasse o quanto o amava. 

Após ouvir a resposta das duas primeiras, que foram mais superficiais, a mais nova, Odiana, disse-lhe: “Quero-te tanto como a comida quer ao Sal”. Uma resposta que não agradou ao monarca, pois afinal, como poderia ela compará-lo a algo tão insignificante?

Entretanto, depois de renegar Odiana, bani-la da povoação e ceder o trono às duas outras filhas que posteriormente o deixaram na miséria, as circunstâncias da vida levaram-no a um Pastor que lhe apresentou um Reino onde imperavam a paz e a liberdade. O rei foi convidado para um belo banquete nesse Reino, mas apenas ele não gostava do seu prato, simplesmente não lhe sabia a nada e não percebia o porquê.

Então, apareceu uma rapariga e calmamente informou-o que a comida dele apenas não tinha Sal. Era Odiana. A filha que ele tinha renegado por compará-lo a algo tão simples e banal. Algo essencial para a sobrevivência, pois conserva os alimentos do Reino, que serve para pagar o trabalho do povo e que tanto lhe faltava na comida de forma a torná-la saborosa.

Aí, o rei percebeu finalmente o grande erro que tinha cometido, do quão ignorante tinha sido em apenas ouvir os elogios e do quão cego pelo poder tinha estado para não compreender que o mais importante no mundo é o amor que Ele sente por Ela. Foi deste modo que surgiu o lema: “E o teu sal, quanto vale?“.

A ideia foi concebida por 6 candidatos a Dirigentes e 5 Dirigentes, que num curto espaço de tempo assumiram a responsabilidade de preparar e realizar uma atividade que esperavam vir a ser inesquecível, visto que, segundo a equipa organizadora, “depois de 2 anos em que a pandemia se fez sentir no Escutismo, sentiu-se a necessidade de reavivar o espírito do Caminheirismo na IVª secção regional. Assim, esta seria não só uma oportunidade de motivar os Noviços que tinham entrado na Secção em plena pandemia como também uma maneira de proporcionar uma atividade memorável aos elementos que estão no seu último ano”.

E assim aconteceu. Entre os dias 9 e 13 de abril, cerca de 80 Caminheiros e Companheiros algarvios entraram nesta aventura Medieval que teve lugar no Castelo de Castro Marim e como música de fundo um Hino original chamado “Quero”.

Como é habitual, os elementos foram divididos em pequenos grupos que seriam o seu clã durante toda a atividade e com o qual passariam grande parte do tempo. Neste caso e tendo por base o imaginário, formaram-se 4 Províncias: Portus Magnus, Ossonoba, At Tabira e Al Olea.

No que diz respeito ao programa, esta teve um pouco de tudo aquilo que são as dinâmicas típicas de uma atividade de IVª secção. Desde o convívio ao Serviço com as comunidades mais isoladas do concelho de Castro Marim, passando também pelos momentos de reflexão e autoconhecimento.

Ao longo dos dias, os elementos foram “invadindo” algumas das povoações do concelho, de que são exemplo: Alta Mora, Azinhal, Corte Velha e Odeleite. Nesta última aldeia, mais concretamente na Casa de Odeleite, os participantes tiveram a oportunidade de realizar vários ateliers desde amassar e fazer pão, cestaria, compotas tradicionais, queijos e muito mais. Houve ainda tempo para um jogo na aldeia que permitiu conhecer melhor o local e interagir com a população.

Para além dos jogos em campo, os Caminheiros e Companheiros foram, ainda, até à Reserva Natural do Sapal de Castro Marim onde assistiram a uma pequena palestra sobre o Sapal e puderam fazer um trilho muito interessante pelas salinas.

E como não poderia faltar na semana da Páscoa, foi incluída a Procissão dos Ramos no programa da atividade para assinalar esta época Cristã tão importante para nós. Podemos, igualmente, destacar alguns dos pontos altos deste Rover Algarvio como a Investidura de Cavaleiros, em que cada elemento participou num momento muito especial de integração e a junção de todos os mares num único só. Esta última dinâmica já tinha sido iniciada antes da atividade começar, pois os Caminheiros e Companheiros foram convidados a levar consigo um pouco do seu sal representado por água do mar da localidade de cada um ou de um lugar onde encontram felicidade. Por fim, é de referir o desafio mais divertido e que implicou muita criatividade por parte dos nossos Caminheiros e Companheiros. O objetivo era dar resposta a 8 desafios através de uma fotografia e as mais originais podem ser consultadas na página de Instagram @escutismo.algarve.

De acordo com a avaliação da atividade por parte dos participantes, a equipa organizadora conclui que a esmagadora maioria gostou bastante do Rover Algarvio 2022, referindo que receberam feedback muito positivo tanto durante o encontro como posteriormente. Para além disso, os Caminheiros e Companheiros demonstraram ter uma opinião unânime: a atividade permitiu fomentar e fortalecer laços entre os elementos da região, aumentando a motivação e vontade de fazer mais e melhor pelo Caminheirismo no Algarve. Deste modo, a equipa sai do Rover com a sensação de dever cumprido e muitas memórias para mais tarde recordar.