TECOREE Marca A Primeira Atividade Regional Presencial Desde O Início Da Pandemia

Partilha esta Notícia

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Este ano a eliminatória regional do Tecoree, atividade da IIIª secção destinada à promoção da autonomia, versatilidade e pensamento estratégico dos elementos através de jogos e técnica escutista, contou com várias novidades. Realizou-se alguns meses mais tarde relativamente a anos anteriores devido à situação pandémica, tendo lugar no dia 6 de junho; decorreu no campo escutista de Tavira, sendo tanto a primeira atividade regional a acontecer neste espaço como a primeira atividade regional presencial em 2021, e ainda, a primeira presencial em tempos de pandemia; por fim, as provas a executar foram previamente disponibilizadas aos participantes através de um manual digital, o que lhes permitiu ter várias semanas de preparação e aperfeiçoação da sua técnica.

Categorizadas alfabeticamente de A a H, foram realizadas 8 provas durante o dia da eliminatória regional, que teve início às 9:00h e terminou às 12h30, recomeçando às 14h e, estendendo-se até às 18h30, visto que as equipas se encontravam divididas em dois grupo: manhã e tarde, de maneira a evitar aglomerados. De um modo geral, as provas abordaram diversas áreas, desde construções a código morse, passando por cartografia, nós e amarrações, e ainda, exercícios que envolviam o pensamento lógico.

Apesar de continuarmos a atravessar um período atípico, a adesão ao Tecoree foi bastante significativa. É o que refere o embaixador regional da atividade, acrescentando que esta se mostrou tão boa ou melhor do que anteriormente, pelo que participaram um total de 20 equipas.

De forma a controlar as provas, ajuizar as mesmas e auxiliar na organização do torneio, a atividade contou, igualmente, com a presença de dirigentes e candidatos a dirigentes, lembrando que existiu sempre uma grande preocupação em assegurar que todas as medidas de segurança seriam devidamente tomadas e em estreita comunicação com o delegado de saúde do Algarve.

Tomás Loureiro, elemento da equipa Egas Moniz do Agrupamento 1389 – São José Ferreiras, partilhou o seu testemunho connosco, descrevendo a vivência do grupo, que não ficou indiferente à atividade: «Quando soubemos que o nosso agrupamento iria participar no Tecoree deste ano, ficamos bastante empolgados, pois das experiências que tínhamos dos anos anteriores sempre achámos uma atividade bastante divertida,  com um clima de competição saudável e acima de tudo uma atividade onde nos podíamos colocar à prova em várias áreas do conhecimento (construções, morse, amarrações, construção abrigos, etc). No entanto,  sabendo como a nossa região é forte neste tipo de provas, decidimos desde o início que teríamos de nos aplicar um pouco mais para conseguirmos ficar bem colocados. Por isso, com a ajuda dos nossos chefes começámos logo a organizarmo-nos e a treinar para as provas.»

O pioneiro mencionou, também, o seu agrado para com os cuidados tidos ao longo do dia, de modo a garantir a segurança de todos os envolvidos. Para além disso, congratulou, ainda, a sua equipa pela dedicação que lhes valeu o 3º lugar, ficando apurados para a eliminatória nacional: «Quero dar os parabéns a toda a organização e aos meus chefes, dado que mesmo com todas as restrições cumpridas conseguiram proporcionar-nos, e acredito que a todos os outros participantes, uma atividade bastante boa com um espaço perfeito e um clima bastante acolhedor. Gostaria também de agradecer à equipa que tenho. Cada um provou ser um elemento valioso e indispensável na conquista alcançada. Afinal, o sucesso de um projeto depende do empenho que colocamos nele.»

Para terminar, Tomás faz um balanço positivo da eliminatória regional do Tecoree, deixando um apelo a outras equipas: «Na minha opinião, esta é uma atividade que todos aqueles que têm possibilidade deveriam participar, pois cada equipa pode competir de forma saudável e trabalha bastante o espírito de grupo, mas acima de tudo é bastante divertida.»